21/03/2018

Vinculação insegura. Insegurança para a Vida?

Vinculação insegura. Insegurança para a Vida?
https://www.publico.pt/2014/11/02/sociedade/opiniao/vinculacao-insegura--inseguranca-para-a-vida-1674848

Catarina Rodrigues
Publicado originalmente no Jornal Público, 2 de Novembro de 2014.



 Interessam-me as questões de como o estilo relacional parental contribui para a formação da personalidade do sujeito. “Quem eu sou” está, numa primeira fase da vida, associado aos cuidados parentais e às projecções dos pais. O modo de interagirem com o filho, física e verbalmente, consciente e inconscientemente, contribui para a definição da identidade do próprio. “Eu sou” na continuidade da relação com as minhas figuras significativas. Não quero com isto dizer que “eu sou o que as minhas figuras de vinculação atribuem que eu sou”, mas realçar que “eu vou definindo quem sou na interacção com aquilo que atribuem que eu sou e as minhas características, no momento presente”, isto é na complexa relação biológico, psicológico e relacional (epigenética).

O bebé pode sentir os cuidados dos seus pais como adequadamente responsivos às suas necessidades e o seu “eu” tem mais possibilidade de se desenvolver de forma genuína, ou pode sentir a relação dos seus pais para consigo como desadequada, não confiável, frustrante ou intolerante e o seu “eu” sente-se bloqueado, inibido ou distorcido. O seu desenvolvimento fica em suspenso. Face às necessidades insatisfeitas existe uma intuição do tipo de resposta necessária, o que o sujeito pode viver de forma mais proactiva, virando-se para o mundo relacional exterior, procurando tipos de relação alternativos, ou de forma menos saudável, isolando-se socialmente, inibindo oportunidades e mudanças, bloqueado pela acção inconsciente da tríade culpa, sentimento de inferioridade, inflexão da agressividade (“sou eu que não presto ou sou eu que sou muito exigente, não são os outros que não me correspondem bem”).

A culpa e os sentimentos de inferioridade, decorrentes de uma vivência muito crítica e desvalorizante dos insucessos e mesmo dos sucessos (geralmente sentidos como aquém das expectativas), debilitam a auto-estima e enredam o sujeito num verdadeiro novelo de sofrimento interno. Sente-se incapaz, por vezes mesmo miserável por não ser capaz ou por sentir pânico de fazer coisas ditas simples. O que concorre para um sentimento de dependência, geralmente inconsciente, face à iniciativa/cuidado/interesse do outro. Por exemplo, o sujeito sente-se infeliz por ninguém estar disponível para ele e não se dá conta que ele próprio não toma iniciativa ou que protela decisões. Permanece à espera do entusiasmo/incentivo do amor parental, agora deslocado para outras pessoas significativas da sua vida. Por isso mesmo, a crítica, a rejeição ou a desilusão do outro têm um efeito devastador no sujeito. Assentam em terreno fértil e o sujeito tem dificuldade em se defender (deflexão da agressividade para o exterior) ou manter intacta a sua auto-imagem (resiliência).

Nem todos os pais beneficiam de um sentimento de segurança básica em si mesmo que lhes permita transmiti-la aos seus filhos. A vida pode ter sido madrasta com eles e ter-lhes impedido de se desenvolverem de forma completa e segura. Apesar do seu amor pelos filhos, não são capazes de se descentrarem das suas próprias necessidades insatisfeitas. Encerrados em si mesmo (por vezes, passando uma vida inteira a procurar compreender-se e compreender os outros), é-lhes difícil empatizar e reconhecer como diferenciadas as necessidades de um outro.
Uma vinculação insegura promove um estilo inseguro de relação com o mundo e traduz-se num factor importante de limitação da vida da pessoa. Existe uma sensibilidade extrema a situações de mudanças, separações, viagens, desafios, assente num medo do abandono, da perda, da mudança. Repará-la requer perseverança e sobreviver a uma crítica interna feroz e esgotante; traçar o caminho de se assumir como agente competente para a sua vida, aceitando sucessos e insucessos; e libertar-se da idealização do outro, derivação da necessidade da boa relação parental precoce insatisfeita, para se lançar à conquista e descoberta de si.

0 comentários:

Enviar um comentário